Curiosidade da logomarca

Curiosidade da logomarca

Os Cães de Fó que estão assentados nas muralhas de entrada da Igreja de São Francisco, na cidade de João Pessoa, foram fotografado por Guy Joseph e, teve a fotografia utilizada na construção da logomarca do projeto, Instante 70. Os cães sagrados da Ásia, tinham a função de guardar os templos budistas. O Cão de Fó tem a aparência feroz de de um leão, para espantar os maus espíritos. O leão na religião budista é visto como sagrado, e por vezes tem sido oferecido como um sacrifício. Fó é Buda no idioma chines. A presença da figura dos Cães de Fó na arquitetura colonial portuguesa, deve-se a influências culturais herdadas das colonias de Portugal na Ásia.

Documentário "Instante 70"

Texto: Iluska Cavalcanti

É possível chegar aos 70 anos de idade com uma mente criativa e produtiva? É a essa pergunta que o documentário criado por Guy Joseph para compor seu projeto “Instante 70” responde. O documentário partiu de uma curiosidade de Guy Joseph: achar estranho ainda ter garra, criatividade e muita vontade de produzir aos 70 anos de idade. Por nunca ter se planejado ou pensado no futuro dessa forma, foi uma surpresa para o fotógrafo se descobrir dessa maneira. Disso, partiu a ideia de saber se as outras pessoas se sentiam da mesma forma após os 50 anos. “Eu não sabia se meus amigos estavam com essa mesma sensação após seus 50 anos, isso motivou a pesquisa e criação do documentário”, conta. Em parceria com o vídeo maker, Hélio Costa, o vídeo será exibido durante a duração e permanência das exposições fotográficas. Seus amigos, a maioria artistas, jornalistas, escritores e poetas, descreveram com muita sabedoria e bom humor os desafios e aventuras de manter a mente jovem após os 50 anos. Com depoimentos de amigos como os jornalistas Abelardo Jurema, Walter Galvão e os artistas plásticos Wilson Figueiredo e Rose Catão percebe-se que o amor, as dificuldades e, principalmente, a felicidade, permanecem apesar dos anos passados, só com uma diferença: a experiência e a maturidade. O poeta Marco di Aurélio de 74 anos descreve muito bem esse sentimento durante seu depoimento: “a gente passa o tempo, mas o tempo na gente não passa”. Já o artista Chico Dantas, de 67 anos, pensa que os anos que passaram em sua mente trouxeram muitos benefícios. “Gostaria de ter mais idade, porque assim teria mais experiência para realizar meu trabalho e também coisas que estão planejando”, disse em seu depoimento. Mas as projeções para o futuro não se atém apenas na vida profissional. É possível amar na terceira idade? Com muita alegria e desenvoltura a atriz Anunciada Fernandes garante que sim. “Uma amiga minha ficou admirada quando eu disse que estava apaixonada por um cara. Ela me questionou ‘você ainda se apaixona? ’, com assim ainda?. Por que eu não posso amar? Porque a idade não permite? Tem isso?”, conta. Com tantos depoimentos de colegas, artistas, escritores, músicos, poetas e jornalistas, Guy confirmou o que já intuía que sim, é possível ser produtivo, apesar da idade e, porque não dizer, inclusive por conta de tanta experiência e maturidade. Guy Joseph acredita que vive o seu “Instante 70”, não como o final de uma jornada, mas o início de uma nova trajetória rumo ao futuro.

Curiosidade do projeto

Texto: Iluska Cavalcanti

Nasci em João Pessoa e estou comemorando meus 70 anos com uma exposição fotográfica retrospectiva, além do lançamento de um livro de fotografias. A exposição será composta por cem fotografias, em médio formato, todas impressas em papéis de alta resolução e durabilidade, com qualidade Fine Art. Esse evento recebe o nome de Instante 70, inspirado na expressão “momento decisivo”, atribuída ao mestre francês Henri Cartier-Bresson. Ele definia assim o exato momento em que o fotógrafo dispara e captura uma imagem única, que nunca mais se reproduzirá da mesma maneira. "Um instantâneo para a posteridade, onde o fotógrafo compõe a foto praticamente na mesma duração de tempo que leva para apertar o disparador, na velocidade de um ato reflexo". Assim, por se tratar de um acontecimento que encerra a ideia de reflexão, renovação e, ao mesmo tempo, ponto de partida para novas descobertas e experiências artísticas, o Instante 70 abriga uma inquietação filosófica e intelectual que me impele a continuar capturando, num átimo de segundo, o fantástico mundo das situações, formas e cores que nos cercam. A expo retrospectiva se reveste de uma característica inusitada, pois deverá acontecer em espaços físicos distintos e subsequentes, tais como: Estação Ciência Cabo Branco, Centro Cultural Tenente Lucena, em Mangabeira, Usina Cultural Energisa e Galeria do Hotel Globo no Varadouro. É a tentativa de levar a arte aos mais diversos lugares, num esforço de aproximação do artista com diferentes públicos. Acredito que, com isso, a arte da fotografia de um veterano artista, possa vir motivar o interesse do público, notadamente o público jovem em fase de formação escolar. O Instante 70, além das fotos expostas, contará também com a exibição de um documentário contendo depoimentos em vídeo, de intelectuais, críticos, artistas, escritores, músicos, jornalistas, poetas e mais uma seleção de profissionais que já passaram dos 50 anos de idade, contando a sua experiência de estar vivendo essa fase. Esse vídeo documentário será exibido durante a abertura de cada exposição, em todos os locais citados. Como forma de universalizar o Instante 70, uma home page (com domínio) foi pensada como meio de atingir o púbico internauta, ansioso por novas informações, onde esse público poderá interagir comigo, fazendo perguntas, opinando, sugerindo e até recebendo valiosas dicas de fotografia. O site também oferece a oportunidade de adquirir o livro de fotografias, Instante 70, autografadas pelo Autor.
Curiosidades da cidade

Curiosidades da cidade

Hotel Globo

Foto: Guy Joseph

Ano de construção: 1929

Ano de reforma/revitalização: 2016

O Hotel Globo foi um hotel de João Pessoa considerado de alto padrão para a época. Era um local visitado por pessoas da alta sociedade, que não apenas se hospedavam no lugar, como também o frequentavam para tomar o chá da tarde e admirar o pôr do sol no Rio Sanhauá. É composto por dois edifícios de estilo eclético, e suas linhas apresentam influências dos estilos Neo-clássico, Art, Nouveau e Art Decó. Durante cerca de 15 anos, foi ponto de encontro da sociedade da época, desempenhando função bastante significativa, pois foi o primeiro hotel de 1ª categoria da cidade. Após a transferência do porto do Varadouro para Cabedelo em meados de 1935 e da Construção do Paraíba Palace Hotel, na atual Praça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis), o Hotel Globo viu-se em decadência com a falta de hospedes até vir à falência total e o fechamento de suas portas. Durante as décadas de 40 e 50, o local serviu mais como um ponto de encontro para boêmios em busca de bebida e boa vida, do que como um hotel. O prédio, por sua vez, teve seu reconhecimento como um local de importância na história do desenvolvimento da capital, e em 1978, foi tombado pelo IPHAEP (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba), mediante o Decreto Estadual de N.º 8639 de 26 de Agosto de 1980. Em 1994 foi restaurado através do Convênio Brasil/Espanha e passou a sediar eventos culturais. No ano de 2013 devido a fortes chuvas, parte do terraço que já estava interditado cedeu, e então o prédio foi totalmente interditado reabrindo apenas em 2016 após obras de revitalização e reestruturação realizadas pela Prefeitura Municipal de João Pessoa. Hoje funciona como museu, onde abriga a exposição permanente de parte do mobiliário do Hotel, além da um acervo de arte popular, e no primeiro andar do prédio localiza-se atualmente o Consulado Espanhol na Paraíba. O Hotel também é muito visitado para a apreciação da bela vista para o Rio Sanhauá e do pôr-do-sol visto de seu jardim.

Fonte:

http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2013/09/area-de-patrimonio-historico-de-joao-pessoa-cede-por-conta-das-chuvas.html

http://patrimonioparaiba.blogspot.com.br/2014/01/antigohotelglobo.htmlhttp://www.de.ufpb.br/~ronei/JoaoPessoa/globo.htmhttp://www.portalcorreio.com.br/noticias/servicos/geral/2016/08/06/NWS,282321,43,417,NOTICIAS,2190-HOTEL-GLOBO-REABRE-APOS-OBRAS-712-MIL-JOAO-PESSOA-VEJA-FOTOS.aspx

https://guia.melhoresdestinos.com.br/hotel-globo-109-2226-l.htmlhttps://pt.wikipedia.org/wiki/Hotel_Globo

Foto Guy Joseph

A Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes foi projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurada no dia 03 de julho de 2008. O complexo possui mais de 8.500m² de área construída no bairro do Altiplano Cabo Branco. A Estação tem a missão de levar cultura, arte, ciência e tecnologia à população de forma gratuita. A Estação Cabo Branco recebeu esse nome por meio de votação popular. Horário de funcionamento: Terça à sexta-feira – 9h às 18h. Sábados, domingos e feriados – 10h às 19h. A Estação Cabo Branco - Ciência, Cultura e Artes, fica localizada no Altiplano do Cabo Branco. Abriga espaços voltados para eventos e exposições, assim como o planetário, o laboratório de astronomia e o laboratório de robótica.